segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Dez razões para uma nega!

1ª: "Nunca tendo sido convidado para nada, pelo que também não fazia sentido ir a esta cerimónia."

2ª: "Tendo sido cortado do protocolo e não estar a ser tratado da forma que considera correcta, são razões mais que suficientes para justificar a falta."

3ª: "Até podia ter alegado que não ia estar presente porque tinha o conselho nacional, mas prefiro invocar outras razões. Aliás, o facto de nunca ter sido convidado já é razão suficiente para não ter que invocar outras razões."

4ª: "Cheguei à conclusão que não me querem nas cerimónias e por isso não vou a nenhuma, quer dê jeito ou não"

5ª: "Até podia ter alegado que não ia estar presente porque tinha o conselho nacional, mas prefiro invocar outras razões. Aliás, o facto de nunca ter sido convidado já é razão suficiente para não ter que invocar outras razões."

6ª: "Deixei pronta a Quinta da Cruz, a Casa da Ribeira e a Incubadora na Rua Formosa, mas não sei como elas estão. Não fui convidado. Assim como não percebi porque não me convidaram para a inauguração da Feira de São Mateus nem para o jantar que houve com o primeiro-ministro."

7ª: "Isto é não ter consideração por alguém a quem se quer entregar um galardão. Não tem sentido o Viriato de Ouro, mais valia uma moção de censura"

8ª: "Queixa-se de ser tratado de forma pouco correcta e digna: "Até cartas registadas me enviaram, nem um telefonema podia ser feito." (...) "Não sei de onde veio este tipo de comportamento." (...) "Ao inicio ainda pensei que fosse esquecimento o facto de não ser convidado, mas depois de dez vezes já é uma decisão deliberada""

9ª: "O ex-autarca gostava ainda que a cerimónia de entrega do galardão fosse numa outra ocasião, recordando que das duas vezes que o entregou assim fez e combinou as datas com quem o ia receber."

10ª: "Quanto a este Viriato de Ouro, o ex-autarca diz que ponderará recebê-lo se "estiverem interessados em mudar o relacionamento, se as pessoas me tratarem com a dignidade que mereço e numa cerimônia autónoma", de outra forma, sustentou, "não há condições para receber o galardão".

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Espírituoso


"Em vez de um Viriato de Ouro, mais valia uma moção de censura"*



*Fernando Ruas in Jornal do Centro

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Notas sobre a jota



1ª. A concelhia de Viseu da JSD existe.
 
2ª. A concelhia de Viseu da JSD tem líder (esta não é novidade é, mais, uma dúvida).
 
3ª. A concelhia de Viseu da JSD vai ter eleições.

4ª. A concelhia de Viseu da JSD pode e deve realizar um debate.
 
5ª. A concelhia de Viseu da JSD tem um candidato assumido.

6ª. A concelhia de Viseu da JSD tem um candidato pronto a debater.
 
7ª. A concelhia de Viseu da JSD tem uma segunda lista (ainda não assumida).

8ª. A concelhia de Viseu da JSD tem uma segunda lista que não pode recusar o debate.

10ª. A concelhia de Viseu da JSD para representar a juventude tem de falar para fora.

11ª. A concelhia de Viseu da JSD tem aqui uma oportunidade para fugir ao "cliché jota".

12ª. A concelhia de Viseu da JSD tem aqui uma oportunidade para fugir ao caciquismo.

PS: São novos demais para não perceberem as regras da democracia e como tenho aqui um post sobre a Molly Young ainda encravado, se me obrigam a voltar a escrever sobre a necessidade de realizarem um debate, não vai ser bonito.

Um ligeiro apontamento

O reconhecimento efectivo do povo ao trabalho de um político  faz-se em local próprio, as eleições. Aí o povo sempre reconheceu o seu valor, eleição após eleição nunca deixou de expressar reconhecimento. Por outro lado, o povo nunca ofereceu títulos, comendas, medalhas ou distinções públicas, isso sempre foi tarefa do poder com a qual o povo poucas vezes concordou. Não é por acaso que surge a expressão: "Foge, cão, que te fazem barão! Mas para onde, se me fazem visconde?". Ruas limitou-se a fazer o que o povo ordena "fugiu", "desviou-se". Ruas nunca deixou de ser do povo e isso tem valor.

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Carta a uma jovem socialista



 
Cara Adelaide perdoe a intromissão, no entanto permita o esclarecimento.
 
Independentemente da boa vontade que a menina e a sua concelhia apresentem, e não duvido que ela seja o farol que guia toda a sua acção política, o PS Viseu não muda, nem mudará, no estilo ou no conteúdo. É um problema histórico, sendo demasiado complicado para ser dissecado na meia dúzia de linhas que aqui lhe deixo.
 
À vista desarmada, quer-me parecer que este é um problema genético, pois surge como transversal a todas as gerações de socialistas viseenses; sendo também do foro psiquiátrico pois nada justifica que gente aparentemente sã se sujeite, mesmo que por curtos períodos da sua vida, a determinadas circunstâncias. Depois, claro, temos os casos patológicos e consideravelmente mais graves daqueles que nas últimas décadas nada conseguiram fazer da vida, excepto política (que devem ser analisados à parte).*

Todavia, preocupado com o seu bem-estar, o conselho que lhe queria transmitir é o seguinte: Desista, pela sua saúde, desista já!
 
Bem vistas as coisas, não vale a pena bater em "cegos-que-não-querem-ver" ou grandes esforços da sua parte para mudar algo que mais ninguém quer mudar. Se há coisa que o tempo nos ensinou é que burro velho não muda e que por mais boa vontade que exista entre "socialistas honestos" o PS Viseu é, para todos os efeitos, um burro velho.
 
Lamento ser eu a quebrar-lhe assim a inocência, mas a realidade é que a luta pelo poder envolve muita mesquinhez, bastante ignorância e uma dose anormal de caciquismo.
 
 
Cumprimentos,
 
Miguel Fernandes

*: Se entender estarei disponível para desenvolver, de modo mais alargado, esta visão.

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Muito bem...

 
Dr. Almeida Henriques, não se admire pois que o povo aguarde nova madrugada de nevoeiro, lá para 2017. Afinal de contas, uma pessoa que dedicou um quarto de século da sua vida à cidade merece mais, merece muito mais. Atenção, que povo não é ingrato!
 
PS: É impressão minha ou até a cidade parece mais suja?  

Alerta


Ainda aguardo convite para jantar da parte da menina Sobral.

Monos

 
Caro Jorge Sobrado, na esperança de transformar Viseu na melhor cidade para visitar, substituam os "monos", que ladeiam a estrada, por outros com menor impacto visual. Aquilo é tão feio que dói.



A gerência agradece.

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Concorra


A Tribuna já concorreu com a frase: "Vinho Dão o Viagra do Beirão."


PS: Se não ganhar, desde já agradeço o prémio de consolação da Pfizer!

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Conhece a tua Jota


Conhecemos a nossa jota quando a sua Comissão Política, que terminou o mandato dia 08 de Setembro, marca uma actividade para dia 15? Sim, conhecemos. Não pelos melhores motivos, mas conhecemos.

O melhor do Dão

 

Dão Party Irreverente


O arraial mais catita das vindimas é já no próximo Sábado, nos claustros do Museu Grão Vasco. Há a promessa de belas moças e melhores cançonetistas. Ide distintos cavalheiros, ide. É já no Sábado!

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Um tasco à séria!


Tendo em conta que o vinho é qu'induca e o fado é qu'instrói quando A Tribuna for um tasco à séria escrevo posts desta, desta e desta natureza! Até lá continuam abertas as candidaturas a musa deste espaço, advirto que a média da última classificada será superior à do IPV*.





*Obrigatório o envio de foto de corpo inteiro [atribunadeviseu@gmail.com]. PS: Não aceito SPAM!

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Viriato D'ouro

Depois de terem soprado para a imprensa nacional a informação sobre a idade da reforma não há necessidade de desvalorizarem a entrega do Viriato de Ouro. Colocar Ruas numa lista comum de homenagem é arriscar a que o ciclo de dez anos acabe em quatro. O povo poderá não reconhecer os textos de Maquiavel, poderá não saber de estratégia política, mas recusa frontalmente a menorização do trabalho de terceiros. Ruas merece uma homenagem sóbria, mas individualizada, não haja confusões, meus caros. Digo eu que nunca fui da última década do Ruísmo.
 

Da falta de eficiência

 A verdade é que Ruas fazia notícia mesmo sem gabinete de imagem e comunicação. Bastava, numa AM qualquer, usar as palavras "pedradas" e "ambiente", na mesma frase, e Viseu aparecia em tudo o que é órgão de comunicação social criando assim uma "marca".

De primeira


Livres finalmente, livres finalmente. Obrigado Jorge Sobrado, somos livres finalmente (da ditadura da fila).


Ps: Já só falta água de primeira (de facto).

terça-feira, 2 de setembro de 2014

Actividade Sénior

A Actividade Sénior é um programa respeitável, ninguém discorda. A verdade é que este ano, de modo a apagar a marca Dr. Ruas, finou-se a Malafaia e nasceu o "Arraial Beirão". Novidade é a visita a Fátima (de autocarro), numa terra onde já se pode ir à Madre Rita (de joelhos).

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

DROM


Duas visões diferentes sobre o mundo dos sonhos, das 09h às 20h, até 22 de Setembro.