domingo, 27 de julho de 2014

#PorAmaisBconquistamosC

Caros amigos, simpatizantes e militantes.

Estando oficialmente vago o lugar no coração de C venho, após bastante ponderação, apresentar a minha candidatura como cabeça de lista ao mesmo orgão.

Foi em nome de todos os que me acompanham e com grande espírito de sacrifício que aceitei encabeçar a lista da candidatura:  #PorAmaisBconquistamosC .

Sendo em última análise uma decisão pessoal esta candidatura teve um forte impulso na sociedade civil. Sem falsas modéstias se não fossem vocês eu não estava aqui, assim quero endereçar uma palavra de agradecimento a todos os que me apoiaram e acompanham desde o primeiro minuto, prometendo honrar a confiança que todos os dias depositam na minha pessoa.

Quero também referir que esta não é uma candidatura a lugares é uma candidatura de ideias. Em breve apresentaremos o programa eleitoral que teve a contribuição da sociedade civil, de vários amigos, militantes e simpatizantes. Mais tarde apresentaremos os nomes das pessoas que me acompanham nesta candidatura. A todos eles o meu obrigado.

Não posso terminar sem dirigir uma palavra às candidaturas adversárias e sem desejar que o período eleitoral decorra com a devida dignidade.
Da minha parte não haverá espaço para política baixa, ataques pessoais ou manobras mesquinhas. A bem da democracia interna de C, espero que a campanha bem com as eleições decorram com a máxima normalidade democrática.

Sem outro assunto,
Miguel Fernandes 
 
#PorAmaisBconquistamosC
 

terça-feira, 22 de julho de 2014

Senhora da Beira

Toda a gente diz: "Isto já não é o Senhora da Beira de outros tempos". Começo a dar-lhes razão! Nem uma linha sobre a principal entrevista do fim-de-semana.


Ps: Falta o link, mas vocês sabem do que estou a falar.

Hey, Sobrado!

- "Sobrado, chama aí o Sr. Dr. Almeida Henriques. Agradecido!"
- "Oh Sr. Dr., não seria melhor fazer aí uma auditoriazita para separar o trigo do joio?"

sexta-feira, 18 de julho de 2014

O Gang


O Gang dos candeeiros voltou a atacar. Primeiro estes, agora os da foto!

Rede de vias cicláveis

A avançar, a rede de vias cicláveis, é não só uma boa notícia como é uma excelente notícia.


Ps: Sim, leu bem, dois posts quase seguidos a elogiar o executivo. Mas para o leitor não pensar que amoleci para breve prometo um post a malhar na oposição.

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Tchekhov nos Jardins Efémeros

 
Esta noite confesso: Não ia preparado para dar de caras, num edifício lindíssimo no entanto devoluto, com o poeta das vidas fracassadas. E lá estava ele alimentado por um ressentimento, daqueles que só os russos sabem fomentar, preparado para um mano a mano, de sala em sala e através de corredores, numa sequência avassaladora de ganchos de esquerda, de diálogos complexos, tragédias humanas e amores desencontrados; seguidos de poderosos ganchos de direita, de vencidos da vida, decadência burguesa e frustrações sociais. E eu , munido de um forte sentimento de dever, dei luta, fui às cordas por duas vezes e por duas vezes fui assistido por médicos incompetentes já alcoolizados. No fim, com a com a típica resignação dos homens inteligentes caídos em desgraça, fui ao tapete nocauteado por toda a força dos soviéticos. Tudo isto para vos dizer que perdi um incisivo mas também o coração naquele edifício, da Rua do Comércio nº 94,  e a culpa é inteirinha do Tchekhov.
 
 
A não perder nos Jardins do Costume!

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Fontelo, Radial de Santiago & P.U.A

O Alexandre Azevedo Pinto, de forma concreta, recordou-nos que "a melhor cidade para viver" não pode ser só uma marca, ela tem de ter reflexos na vida dos viseenses. Para memória futura fica o texto:
 
"Mata do Fontelo – Parque da Radial de Santiago – Parque Urbano da Aguieira
 
 
 
Todos conhecemos de alguma maneira, como utilizadores e frequentadores mais ou menos regulares, qualquer um dos espaços que assinalo sendo os dois parques obra da ex Polis Viseu.

Os casos que apresento, são hoje importantes espaços de lazer em Viseu mas encontram-se com graves carências de equipamentos, o que subverte a
...sua utilização, apresentando alguns já indícios ou estado de abandono.

Com o Verão a decorrer e sendo predominantemente utilizados neste período do ano, não se percebe como é que a Autarquia ignora esta situação.

Começando pela Mata do Fontelo, não se percebe que o único ponto de apoio (pastelaria e café) situado no seu interior se encontre encerrado. Para além dos inúmeros utilizadores diários que, a correr, a caminhar ou simplesmente a passear naquele espaço verde lindíssimo do Fontelo, todos os dias ele é também visitado (em diversos momentos do dia) por inúmeros turistas que vêm no Comboio que percorre a cidade e que nesse ponto específico pára durante alguns minutos. O encerramento deste estabelecimento, bem como das instalações sanitárias, é motivo de enorme desagrado para todos que por ali andam, criando uma imagem de abandono e de pouco brio daquele espaço.

O Parque da Radial de Santiago, que envolve o Rio Pavia, merece um reparo ainda maior. Como relatou e bem documentou o meu amigo Paulo Neto no seu editorial no Rua Direita, o estado de abandono e vandalismo associado ao espaço é muito preocupante. Estamos a falar de uma das obras mais emblemáticas da Polis, com elevadíssimos custos para o cidadão e que merecia uma atenção diferente por parte da Autarquia. Não se percebe tamanho desleixo.

Finalmente, o caso do Parque Urbano da Aguieira e a envolvente (do início) da ciclovia outra das obras emblemáticas da Polis. Passado já tanto tempo da sua conclusão continua a não existir um projecto público de ocupação funcional para explorar o potencial daquele espaço. Foi bem realizada a componente infra-estrutural da obra mas não se conhecem as propostas de utilização que a Autarquia tem para aquele espaço. Tardam em aparecer.

A marca “Viseu a melhor cidade para viver” a todos nos orgulha, mas convém que ela não comece a ser apenas e só isso…uma marca
."

A cultura não é para meninos!

(Foto: Fernando Carqueja)
E por uns dias estamos no coração de tudo o que acontece entre Berlim e Nova York.

quinta-feira, 10 de julho de 2014

terça-feira, 8 de julho de 2014

Alerta

Só para recordar à oposição que o tempo acabou. Participaram?

Resultados CDS

Como sempre chego tarde, mas ninguém espera que A Tribuna chegue a tempo a lugar algum.
 
Não repetindo a análise do tempos de véspera ou voltar ao que já aqui foi escrito, apenas reforço que o CDS-PP, nestas eleições, "só" perdeu a oportunidade de fazer diferente. Diferente do que já vimos nos restantes partidos com lugar de vereação.
 
O CDS-PP tinha essa oportunidade por duas ordens de razão:
 i) vinha de um bom resultado eleitoral autárquico (em que os líderes das duas listas colaboraram) 
ii) é um partido em reconstrução e com um núcleo de militância reduzido (não chegaram aos 70 eleitores)
 
Mas nada disto ocorreu por duas ordens de razão:
 i) Egos (não necessariamente dos candidatos)
ii) Fulanização encapotada (para D, X representava Y; para Y, C representava D)
 
Tudo isto impossibilitou o debate que, para todos os efeitos, não era para realizar.
 
Para o futuro do CDS, e a bem da vida política local, espera-se que Joana Couto de Sousa se afirme como a liderança, a voz, e a organizadora que tem falhado ao CDS nos últimos anos. Só uma oposição forte é capaz de relativizar o impacto do Sr. Sobrado na política local.
 
 
PS: Será um erro esquecer Carlos Cunha, que representa quase metade do eleitorado. É que o Seguro morreu logo após uma vitória eleitoral. 


domingo, 6 de julho de 2014

Domingo



Os suecos não ouvem fado. Os suecos têm o seu próprio fado. Aos Domingos sou sueco.

sexta-feira, 4 de julho de 2014

Sem glória

Fernando, uma campanha de lista única não é uma campanha é uma tomada de posse. Sem adversários não vale a pena subir ao campo, qualquer abstenção é uma prova de incapacidade, qualquer voto branco uma pesada derrota. Na impossibilidade da derrota, não há qualquer glória em ganhar.

Entretanto...


Oposição em Estado de Desgraça

Viriato é de quem o apanhar

Sobrado, tu bota-me olho nisto!

quinta-feira, 3 de julho de 2014

CDS-PP


Estamos nas últimas horas da campanha para a liderança do CDS-PP Viseu importa saber o que fica.
 
O que correu bem?
Pela primeira vez em bastantes anos apresentaram-se duas listas.

O que correu mal?
À excepção de campanhas de lista única, para a história fica a campanha mais fraca a que esta cidade teve o prazer de assistir, o que não é pouco se tivermos em conta o histórico recente dos partidos com lugar de vereação. Apelidar uma troca de comunicados como "campanha" só como manifestação de boa vontade.  
 
O que faltou?
Bem, faltou o essencial da actividade política: a troca de ideias, o debate e a apresentação de alternativas.
 
Mas não apresentaram ideias?
Sim apresentaram, em pouca quantidade e nada de relevante. 90%  do que foi escrito tinha lugar numa candidatura do PS ou PSD, não sendo por isso distintivo.
 
O CDS-PP perdeu assim uma grande oportunidade de mostrar:
i: Que os resultados nas últimas autárquicas não foram fruto do acaso (saída de Fernando Ruas e o nome de Hélder Amaral).
ii: Que finalmente tinha ultrapassado o marasmo dos últimos (largos) anos tendo criado uma dinâmica interna positiva.
iii: Que era um partido com alternativas reais (internas e externas).
 
Independentemente da lista que sair vitoriosa o partido falhou rotundamente em todos os pontos acima apresentados.
 
Certamente que este não terá sido o epitáfio da direita local, mas pode estar para breve a não ser que este patinho feio do conservadorismo, a bem da cidade e de uma direita liberal-clássica ou pós-moderna, se reinvente.

Nunca pensei escrever isto....

Quero a minha Ana Paula Santana de volta!

quarta-feira, 2 de julho de 2014

Educação

D. Lúcia, olhe que não, olhe que não!

Orçamento Participativo III

Meus caros, através desta página podem e devem apresentar as vossas ideias. Ok, é uma medida que não terá grande impacto na ordem natural das coisas, existindo essencialmente como forma de aproximação, ainda que simbólica, entre poder e vontade popular, todavia não deixa de ser importante a participação de todos. Assim que tenha oportunidade darei as teclas ao manifesto.