quarta-feira, 30 de abril de 2014

Legalidade e Ética

O Indo Eu faz uma reflexão sobre legalidade e ética, palavras que em política raramente se cruzam. Assim fui à Wikipédia, cuja incontestável superioridade está, segundo Mexia, em ter ao lado de entradas clássicas de enciclopédia como "Clémmenceau" ou "Periscópio", outras como "Wonderbra",  ou "Twerking" acrescento eu, e deu nisto:
 
"Legalidade é um atributo juridico de qualquer acto humano ou pessoa jurídica que indica se é ou não contrario à lei, se está ou não dentro do permitido, pelo sistema jurídico, seja expressamente ou implicitamente. Se este atributo for positivo, diz-se que é legal, caso contrario é ilegal."
 
"A palavra "Ética" é derivada do Grego (ethikos), e significa aquilo que pertence ao ethos, que significava* "bom costume", "costume superior" , ou "portador de carácter". Diferencia-se da moral, pois, enquanto esta se fundamenta na obediência a costumes e hábitos recebidos, a ética, ao contrário, busca fundamentar as acções morais exclusivamente pela razão."
 
* Suspeito que o pretério impefeito não aparece ao acaso.

segunda-feira, 28 de abril de 2014

Reforço orçamental


Exmo. Presidente da C.M.V,
Sr.ª Vereadora da Cultura e Turismo,
Sr. Presidente da A.M.

Escrevo esta curta missiva na firme convicção que vou a tempo de apelar não só ao vosso bom gosto como também ao vosso amor por esta cidade.
 
Deste modo, não tomando mais do vosso precioso tempo, espero que rapidamente enviem uma equipa de demolições à rotunda, da estrada de Nelas, mais próxima do Palácio do Gelo.
Não sei se estão a par, e sinceramente acredito que desconheçam a ocorrência, pois o distinto bom gosto de V.Exas não permitiria tal aberração, como tal permitam-me a ousadia de vos relatar os acontecimentos. Por estes dias, na referida rotunda, foi levantada uma obra, mais concretamente uma escultura, que sofre de tão mau gosto que nem a podemos enquadrar na vulgata Kitsch, que pelos dias de hoje domina a cultura ocidental. Esta é uma obra que não provoca outra reacção que não desprezo.
Em resumo, estamos perante uma obra digna de uma Joana Vasconcelos com uns toques de Taveira e Lady Gaga sem, no entanto, estar coberta por renda, problemas freudianos ou um qualquer atraso mental. Uma obra representativa de uma época que já foi apelidada por "Dias do Lixo".
 
A nossa cidade que se quer, e deve, candidatar a património mundial não merece tamanho assassínio ao gosto.
 
Deste modo, apoio de forma inequívoca qualquer reforço orçamental extraordinário, já para o próximo dia 04, que inclua uma terraplanagem da referida peça. Atendendo a que estamos em época de contenção orçamental não me oporei caso optem pela aquisição, por ajuste directo, de algum dinamite, antecipando assim o espectáculo pirotécnico de fim de ano.
 
Tanto eu como a cidade ficaremos eternamente agradecidos.

Sem mais assunto e com os melhores cumprimentos,

Miguel Fernandes

segunda-feira, 21 de abril de 2014

Divergência ou Intransigência?

A política é feita de dissenso, e este consenso de que Cavaco Silva fala só seria possível matando as ideologias.” 

    Da entrevista da deputada Isabel Moreira ao Jornal i fica a confusão que vai na cabeça de todos aqueles que, por mero dogma "ideológico", rejeitam a ideia do consenso. Ouvimos o ano passado, que "O PS considerou (...) que as suas divergências com o PSD são insanáveis, estruturais e profundas" e o PS fez questão em repetir a ideia  já este ano. Mas estaremos a falar de divergências (ideológicas ou intransigências eleitoralistas)? Afinal todos concordamos que não há varinhas mágicas na economia. Admitindo o argumento socialista, toda a fórmula ideológica é composta por uma mistura de preferências e rejeições, umas referentes à política, outras à moral, outras à religião, outras à vida económica and so on... Sabemos que esses variados elementos dificilmente formam uma unidade coerente, embora tendam a criar uma aparente coerência como numa assíntota, aproximando-se dela sem jamais alcançá-la. Tal esforço de congregação denomina-se, precisamente, filosofia, uma actividadeque, pela própria natureza, sendo constante encontra-se sempre inacabada

sexta-feira, 18 de abril de 2014

Aeródromo Municipal

Segundo o Jornal do Centro (nº 626). "Na Primeira revisão do orçamento municipal para 2014 foram inscritos 100 mil euros para obras no aeródromo." Já no final de 2013 foram investidos 80 mil euros no mesmo espaço. Todos estes investimentos terão o resultado esperado (dar vida ao espaço)? É desta que vem o Centro Nacional de Operações de Socorro? Os Bombeiros Municipais querem ocupar o espaço? E a oposição o que pensa disto?  

quinta-feira, 17 de abril de 2014

Reforço Orçamental

Dez milhões extra que o Sr. Ruas deixou nos cofres. Os objectivos genericamente não são maus mas também não são novos, a oposição que faça o que lhe compete e fiscalize.

terça-feira, 15 de abril de 2014

quarta-feira, 9 de abril de 2014

segunda-feira, 7 de abril de 2014

A oposição

Em Viseu temos uma oposição Low Cost. Os pontos de partida e chegada estão demasiado afastados da população e as viagens, apesar de acessíveis, são sempre desconfortáveis.

domingo, 6 de abril de 2014

sexta-feira, 4 de abril de 2014

Viseu Primeiro

O actual executivo candidatou-se, com um programa eleitoral, ganhou as eleições e bem. Um mês depois, fez melhor e, lançou para discussão pública o documento estratégico "Viseu Primeiro 2013/2017".  A verdade é que, até hoje, de discussão tivemos zero. A oposição [que não tem nenhum Sobrado] também não se perde com estes preciosismos e, segundo Rebecca Black, hoje é Sexta-Feira à noite!  

Estamos avisados

Em Tempo de Vésperas fomos alertados que a discussão sobre as obras públicas está inquinada a partir do topo. Entretanto chega outro alerta que a classe política local opta por ignorar. O que Sérgio Monteiro nos diz é: "Meninos, se querem uma auto-estrada vão ter de pagar". A mensagem não podia ser mais clara.
 
Caros políticos locais (Deputados, Executivo, Vereadores, Deputados Municipais), e que tal desistirem do sequestro do debate e começar a pensar seriamente no assunto? Exigir que se eliminem os pontos negros do IP3 e garantir a manutenção uma via de acesso livre de portagens, era um bom ponto de partida.

quarta-feira, 2 de abril de 2014

Meias-Palavras

Viseu é uma terra de meias-palavras. Dizemos (escrevemos) metade do que pensamos, ouvimos (lemos) metade do que foi dito (escrito). E pronto, para já era isto que tinha a dizer. Obrigado por terem vindo e muita saudinha a todos.

terça-feira, 1 de abril de 2014

Alerta!!

A pedido da Associação Nacional de Famílias Numerosas a Tribuna de Viseu vai retomar as postagens regulares. Aos leitores fieis pedimos desculpa pelo mau gosto do espaço. Aos senhores do executivo alertamos que as saídas de emergência estão devidamente assinaladas. Aos senhores da oposição recomendamos que puxem dos cadernos de apontamentos. Semper Fi ao Lo-Fi, porque isto não é para meninos.